foto5.png

Portalegre: 80 voluntários asseguram serviço humanitário da Cruz Vermelha

Texto alt automático indisponível.

O voluntariado está em crise mas continua a ser o “motor” de muitas instituições, nomeadamente da Cruz Vermelha Portuguesa, onde 90 por cento do serviço humanitário depende de voluntários.

Na delegação de Portalegre da Cruz Vermelha, há cerca de 80 voluntários, a maioria mulheres, que se dedicam a uma causa e desenvolvem trabalho capaz de “aliviar os problemas das pessoas”.

 

Vítor Bucho, presidente da Cruz Vermelha de Portalegre, refere a título de exemplo o programa “Montes Solidários”, desenvolvido pelas delegações da Cruz Vermelha do Alentejo, por uma equipa exclusivamente constituída por voluntários.

A equipa integra assistentes sociais, psicólogos e enfermeiros, que realizam visitas às populações que vivem isoladas nos montes, levando cuidados de saúde, apoio e conforto.

No dia Internacional do Voluntariado, que se assinala esta quarta-feira, Vítor Bucho lembra que se dedicou a esta causa desde 1977, por pugnar em fazer qualquer coisa pelos outros.

Carla Aguiã