foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

Alentejo2020

Ministro da Defesa diz que "a história de Elvas confunde-se com a história militar portuguesa"

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas a sorrir, pessoas em pé e fato

(Por Carla Aguiã/Gabriel Nunes) - O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, afirmou, esta segunda feira, que “a história de Elvas confunde-se com a história militar portuguesa”.

 

João Cravinho falava na Praça da República, naquela cidade raiana, palco das cerimónias militares e militarizadas, das comemorações dos 360 anos da Batalha das Linhas de Elvas.

O governante sublinhou a importância estratégica e para a preservação da soberania portuguesa que Elvas assumiu durante séculos.

O aniversário da Batalha das Linhas de Elvas foi aproveitado pelo município local para a atribuição da Medalha de Ouro do Concelho ao Exército Português.

Para o ministro da Defesa esta distinção “é o reconhecimento do contributo [do Exército] para a valorização da região”, e ao mesmo tempo “um ato de contínua responsabilização na manutenção de uma parceria profícua com as autoridades locais na potencialização do património comum de Elvas”.

O presidente da Câmara de Elvas, Nuno Mocinha justificou a atribuição da medalha de ouro com a “importância dos militares para a cidade”.

Nuno Mocinha sublinhou ainda que “a importância militar de Elvas sempre esteve na primeira linha das prioridades dos governantes nacionais”.

O autarca aproveitou a ocasião para afirmar que quer para Elvas “um futuro preenchido pela concretização de projetos importantes”, nomeadamente a nível económico, do ensino superior e dos serviços públicos.

Apontada como uma das mais importantes da Guerra da Restauração, a Batalha das Linhas de Elvas ocorreu a 14 de janeiro de 1659, nos arredores de Elvas, e foi considerada a primeira grande vitória militar dos portugueses sobre os castelhanos na Restauração de Portugal.