foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

alentejo2020

PCP acusa deputados socialistas que formaram o Grupo Pró Alentejo de estarem à procura de "promoção mediática pessoal e politica"

A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas em pé e fato

(Por Gabriel Nunes) - O PCP censurou a criação do “Grupo Pró Alentejo” na Assembleia da República, formado por deputados socialistas, afirmando que os parlamentares não estão preocupados com a resolução dos problemas da região, mas sim com a “promoção mediática pessoal e politica”.

 

Em comunicado enviado à Rádio Portalegre a Direção Regional do Alentejo (DRA) do PCP refere que esta iniciativa “traduz mais uma tentativa de criar a ilusão que primeiro está a região e depois o resto, para depois darem o dito por não dito, ou o ensaio para outros voos com vista à ocupação de cargos”.

Os comunistas lembram que o PS teve maiorias na Assembleia da República e foi Governo durante vários anos, com a participação de secretários de Estado e ministros oriundos da região, e “o Alentejo foi sempre esquecido e nalguns momentos atacado e posto a ferro e fogo”.

Os oito deputados socialistas eleitos pelos círculos eleitorais do Alentejo decidiram organizar-se, recentemente, em grupo para “reforçar o peso político da região” na Assembleia da República (AR).

Em declarações a esta estação emissora o deputado socialista eleito por Portalegre, Luís Testa, referiu que o Grupo Pró-Alentejo “nasce de uma necessidade de colocar, em primeiro lugar, na agenda política nacional, os assuntos que tem uma dimensão regional”.

O parlamentar acrescenta que com a criação deste grupo a região ganha outra força e tem mais peso para defender os projetos que existem e que são relativos a cada um dos círculos eleitorais alentejanos.

Integram o Grupo Pró-Alentejo os deputados Luís Moreira Testa e Ricardo Pinheiro, eleitos por Portalegre, Luís Capoulas Santos e Norberto Patinho, (Évora), Pedro do Carmo e Telma Guerreiro, (Beja), e Clarisse Campos e Sofia Araújo (Setúbal).