foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

 

Rádio Portalegre - 30 Anos ao Serviço da Região Alentejo

Este domingo, 23/02, ouça aqui mais uma Tarde Desportiva a partir das 14h. Destaque:  12ª J. Liga F. Gil em futebol

Presidente da ARS Alentejo admite "uma quebra" no número de profissionais de saúde no distrito de Portalegre

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas em pé, fato e interiores

O presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, José Robalo, admitiu hoje “uma quebra” no número de profissionais de saúde que prestam serviço no distrito de Portalegre.

José Robalo, que falava em Portalegre, no âmbito da apresentação do projeto Open Dialogue, Equipa Comunitária de Apoio na Crise Psiquiátrica - Norte Alentejano, referiu que gostava de ter mais profissionais de saúde na região, lamentando que muitas das vagas abertas continuem a ficar sem candidatos.

 

A apresentação do Projecto Open Dialogue, Equipa Comunitária de Apoio na Crise Psiquiátrica - Norte Alentejano, decorreu esta quinta-feira durante a manhã na Escola Superior de Saúde de Portalegre.

Este projeto piloto, impulsionado pela Fundação Romão de Sousa, é cofinanciado pela Direção Geral da Saúde, e visa melhorar a qualidade de serviços prestados à população com perturbação mental grave, reduzindo os custos sociais deste problema e o impacto financeiro para as instituições.

João Pereira, coordenador do projeto, explicou que a iniciativa conta com quatro profissionais de saúde mental que darão apoio domiciliário às famílias de sete freguesias do distrito de Portalegre, nomeadamente, Ervedal, Santo Amaro, Sousel, Cano, Monforte, Fronteira e Casa Branca.

 

O Open Dialogue, que assenta na “cultura do diálogo”, tem duração de um ano, mas João Pereira espera que o projeto possa vingar e ser replicado em mais zonas.

 

A Fundação Romão de Sousa tem, desde 2015, colaborado com a equipa original Finlandesa, apostando agora no teste da implementação do Open Dialogue Portugal, sistema que está já em várias dezenas de países, nos vários continentes, e com resultados surpreendentes.

 

O serviço de apoio é gratuito para a população adulta entre os 18 e os 65 anos de idade, residentes nas freguesias do projeto e que se apresentem em crises psiquiátricas.

 

Os interessados podem ligar para a linha de apoio do Open Dialogue através do número: 911 541 412, disponível de segunda à sexta-feira.

 

 

(Susana Mourato)