foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

 

Rádio Portalegre - 30 Anos ao Serviço da Região Alentejo

Este domingo, 23/02, ouça aqui mais uma Tarde Desportiva a partir das 14h. Destaque:  12ª J. Liga F. Gil em futebol

Portalegre/Saúde: Há especialidades que correm o risco de ficar “sem um único médico” – presidente da OM

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas em pé, fato e interiores

O serviço de saúde no Alto Alentejo vai ficar “sem um único médico” em várias especialidades, se não forem tomadas medidas, em breve não haverá saúde pública, medicina geral e familiar, obstetrícia, ginecologia e ortopedia. O alerta é do presidente da Ordem dos Médicos (OM) do distrito de Portalegre, Hugo Capote.

 

O dirigente explicou que a geração do 25 de Abril, que se formou e veio exercer medicina para a periferia, “está quase a sair” e há especialidades que, ainda hoje, vivem essencialmente desses profissionais.

Hugo Capote, que falava, esta quinta feira, na cerimónia de tomada de posse dos novos membros da Mesa da Assembleia e do conselho da sub-região de Portalegre da OM, mostrou-se preocupado com esta situação, sublinhando que “sem médicos, deixa de haver razão para a existência de hospitais”.

Hugo Capote fez ainda questão de sublinhar que a OM vai continuar a ser a voz da defesa das condições da prática médica no distrito de Portalegre, o que significa, acima de tudo, defender o Serviço Nacional de Saúde (SNS) a estrutura que, no Alto Alentejo, consegue tratar e dar resposta aos doentes.

Presidente da OM de Portalegre, durante mais de uma década, Jaime Azedo disse aos jornalistas que não conseguiu muito do que pretendia e frisou que “é muito difícil chamar a atenção dos políticos para os problemas da região”.

O presidente cessante referiu ainda que a sua maior preocupação é o hospital de Portalegre “que tem vindo a ser atacado, perdeu a identidade e está a brados com muitos problemas de difícil solução”.

Presente na cerimónia, Alexandre Lourenço, presidente da secção regional da OM do sul, começou por agradecer o empenho de Jaime Azedo, numa região que “sempre levantou problemas, que parece esquecida e que é muitas vezes referida por perder médicos”.

O mesmo responsável disse ver com “regozijo” a tomada de posse de um grupo capaz de vestir a camisola e continuar a lutar pela defesa da prática médica na região”.

Os novos membros, que assumiram funções para o triénio 2020-2022, tem Dorinda Calha como presidente da Mesa da Assembleia, Isabel Lavadinho como vice presidente e Maria Falcão como secretária.

No conselho sub-regional, Hugo Capote é o presidente, Fernando Pádua o vice-presidente e Ivanilde Tavares a secretária, Mónica Perez e Marcelo de Araújo são vogais.

(Carla Aguiã)