foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

 

 Rádio Portalegre A Mais Ouvida do Alentejo - 30 Anos ao Serviço da Região

Portalegre:concurso de licores e exposição de fotografia "Mosteiro de S.Bernardo - 495 anos de História" são as novidades da Feira de Doçaria Conventual

Um concurso de licores e a exposição de Fotografia “Mosteiro de S. Bernardo – 495 anos de História”, de João José Bica, são as novidades da Feira de Doçaria Conventual e Tradicional de Portalegre, a realizar de 26 a 28 de abril, no Mosteiro de S.Bernardo.

O certame, organizado pela Câmara Municipal de Portalegre, em parceria com a QUALIFICA e com a Fundação Robinson, tem como objetivo valorizar e promover a cultura, a tradição e o património gastronómico português.

Ateliers de doçaria, onde os visitantes são convidados a meter “as mãos na massa” e a confecionarem a boleima de açúcar e canela, laboratórios de gosto e demonstrações ao vivo de doçaria, são outros dos atrativos do evento.

A 13ª edição da Feira de Doçaria Conventual e Tradicional de Portalegre conta ainda com o habitual Concurso de Doçaria Conventual, que irá eleger o melhor doce da feira, e animação de rua pelas associações culturais do concelho.

Em 2012, o certame contou com a participação de cerca de 40 doceiros oriundos de vários pontos de Portugal, Espanha, França e Itália.

Toucinho-do-céu, Lampreia de Amêndoa, Rebuçados de ovo, Manjar Branco, Queijo Dourado, Fartes, Leite Serafim, as boleimas de Portalegre, queijadas e bolos fintos, são alguns dos doces que os visitantes poderão adquirir durante os três dias da feira.

Dados históricos indicam que, em Portalegre, até meados do século XX, as religiosas dos conventos de Santa Clara e São Bernardo confecionaram e comercializaram diversos doces, tais como o Manjar Branco, o Toucinho-do-Céu, os Rebuçados de Ovos, o Queijo Dourado e a Lampreia de Portalegre.

Conhecida em tempos como a "cidade dos sete conventos", devido à sua tradição religiosa, Portalegre possui um vasto número de receitas de doces conventuais, com origens remotas que estão guardadas a “sete chaves” pelas doceiras.

Gabriel Nunes