foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

alentejo2020

Marvão: Mais de 40 freixos do “Túnel das Árvores Fechadas” vão ser abatidos por se encontrarem doentes (c/som)

Foto de Rádio Portalegre.

(Por Gabriel Nunes/Luís Filipe Alves) - Confirma-se o pior cenário. Um estudo encomendado pela Câmara de Marvão recomenda o abate de mais de 40 freixos do emblemático “Túnel das Árvores Fechadas”, na freguesia de São Salvador da Aramenha, naquele concelho alentejano.

O estudo, desenvolvido pela empresa Planeta das Árvores, especializada em arboricultura, concluiu ainda que das 235 árvores, plantadas junto à Estrada Nacional 246-1, 192 terão de ser sujeitas a “uma poda radical e musculada”.

 

Serafim Riem, diretor da empresa que elaborou o estudo, apresentado, quinta-feira, na Casa da Cultura de Marvão, sublinhou que até hoje nunca se tinha deparado com “uma situação tão drástica e tão grave”.

O mesmo responsável usou ainda da ironia ao afirmar que é preciso ter coragem para dar uma má noticia destas, depois dos funcionários da Infraestruturas de Portugal “quase terem sido corridos a pontapé depois de terem cortado sete freixos do “Túnel das Árvores Fechadas”, em fevereiro deste ano.

 

(Serafim Riem, diretor da empresa Planeta das Árvores)

 

Em declarações à Rádio Portalegre, o presidente da Câmara de Marvão, Vítor Frutuoso disse ter ficado surpreendido com o resultado deste estudo.

Victor Frutuoso admitiu que tinha a ideia de que alguns dos freixos estavam doentes, mas não imaginava que fossem tantos.

O autarca classificou mesmo de “chocante” a informação que resultou do estudo.

 

(Victor Frutuoso, presidente da Câmara Municipal de Marvão)

 

Recorde-se que, há cerca de seis meses atrás, a Infraestruturas de Portugal procedeu ao abate de sete freixos no “Túnel das Árvores Fechadas”. A empresa tinha programado o abate de mais três mas os trabalhos acabaram por ser suspensos, através de uma ordem do ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, na sequência de um contacto telefónico efetuado pelo deputado socialista, Luís Testa.