foto1.pngfoto3.jpgfoto4.pngfoto6.jpg

 

 Rádio Portalegre A Mais Ouvida do Alentejo - 30 Anos ao Serviço da Região

33ª Baja Portalegre 500 - ouça tudo sobre a prova rainha do Todo-o-Terreno nacional nos dias 25 e 26/10 nas emissões especiais da Rádio Portalegre

Portalegre:PSP iniciou processo crime de investigação a violenta agressão a um homem com cerca de 60 anos perpetrada alegadamente por um grupo de 10 indíviduos

A PSP anunciou hoje ter iniciado um processo-crime de investigação, na sequência de agressões violentas a um homem, com cerca de 60 anos, perpetradas, alegadamente, por um grupo de 10 indivíduos, no interior do restaurante “Conchinha”, em Portalegre.

Em declarações a esta estação emissora, o comandante da PSP de Portalegre, revelou que os suspeitos das agressões contra o homem, já foram identificados e estão a ser chamados à esquadra daquela policia para serem interrogados.

Joaquim Simão referiu ainda que a PSP de Portalegre não tinha conhecimento deste ou de outros crimes, cometidos, alegadamente pelos suspeitos, nos bairros da Vila Nova e Assentos, pelo facto de não existirem queixas.

O dirigente adiantou que só esta terça feira é que foi apresentada uma queixa na esquadra da PSP de Portalegre relativa ao caso ocorrido no interior do restaurante “Conchinha”, na passada semana.

O proprietário do restaurante “Conchinha”, acusou, segunda feira, um grupo de 10 indivíduos de aterrorizar, nos últimos tempos, a população dos bairros da Vila Nova e Assentos, com ameaças, agressões e roubos.

No final da semana passada, no restaurante “Conchinha”, situado na Vila Nova,, um cliente foi violentamente agredido, supostamente por elementos do grupo, munidos com bastões.

A vítima foi assistida no Hospital de Portalegre mas a gravidade dos ferimentos obrigou a que fosse transferida para uma unidade hospitalar em Lisboa.

De acordo com Francisco Conchinha, os casos de violência e os sucessivos roubos tiveram início quando o grupo, já referenciado pela população, foi residir para o Bairro dos Assentos.

O empresário disse que já foram apresentadas várias queixas contra o grupo, na esquadra da PSP de Portalegre, mas as autoridades alegam que não podem intervir por não haver flagrante delito.

Gabriel Nunes/Carla Aguiã